terça-feira, 8 de abril de 2014

2º Encontro Sulista XT660 - Cambará do Sul - Novembro de 2013 - 1.000kms

Bom, como o relato da viagem para o Uruguai terminou, vamos viver de passado. Porém, o intuito é registrar informações sobre locais interessantes para outros motociclistas e demais viajantes se informarem e conhecerem.
No feriado do dia 15 de novembro, participamos do 2º Encontro Sulista do fórum XT660.net. Era o nosso primeiro grande encontro com a turma deste fórum. Antes havíamos participado do Moto Caneca, na cidade de Porto Belo. Fomos recebidos pelo Luiz Lima. Que fez uma grande festa para todos os participantes.
Mas vamos voltar a Cambará do Sul. Eu, como agoniado que sou, decidi por não sairmos na sexta, feriado. Saímos já na quinta a noite. Nosso objetivo era chegar em Lages. Saímos de Blumenau as 18:30 e pegamos a BR-470. Em Apiúna, reconheci o carro de um grande amigo, o Gabriel. Acenei para ele, e paramos para um café "rápido". Que de rápido não teve nada. Ele havia acabado de chegar de uma viagem para a Itália. Foi para um evento motociclístico muito famoso que há lá. Gabriel é profissional do ramo motociclistico também e eu estava curioso para saber o que ele tinha visto por lá. 
Depois de muito papo, seguimos pela BR-470. Anoiteceu e estávamos em Pouso Redondo, nossa última parada antes de Lages. Paramos no Posto Mime para abastecimento e seguimos.
Quando entramos na SC-114, começou o caos. A estrada estava muito remendada e em alguns pontos, bastante esburacada. Segui com cautela. Os faróis em sentido contrário ofuscavam bastante também. Felizmente chegamos em Lages seguros, por volta das 21 horas. Meus pais também estavam naquele trecho, então combinamos de nos encontrar no hotel que ficaríamos hospedados. Eles optaram por dormir na Pousada Rural Sesc, uma ótima opção para quem quer lazer e descanso. Recomendo principalmente para quem tem filhos pequenos. Próximo dali, também há o Adventure Lages. Um lugar para quem quer diversão com adrenalina. Mas estou fugindo ao tema do tópico. Desculpem.
Nos hospedamos no Afford Hotel. Uma boa opção para quem quer um hotel bom e com preço justo. Pegamos um lanche na lanchonete ao lado do hotel e ficamos vendo TV. Não conseguimos dormir cedo. Mas também não tínhamos pressa. O evento começava somente na noite de sexta. Então tínhamos tempo. Afinal eram apenas 400 quilômetros até nosso destino.
Acordamos no dia seguinte um pouco mais tarde que o usual. Por volta das 08 horas. Tomamos um delicioso café da manhã e saímos. O tempo estava muito bom. Com sol, porém, a temperatura estava na casa dos 17°. Normal para a região serrana.
Pegamos a BR-116 sentido Vacaria. O trânsito estava um pouco intenso. No mesmo sentido que nós, muitos carros em busca de um feriadão de diversão. No sentido contrário, muitos caminhões vindos do RS para o resto do país. A BR-116 é a principal via de acesso do interior do estado do RS para o restante do país.
Ah, e claro, algumas motos. Acenos, cumprimentos e bora andar. Assim fomos até a divisa dos estados. Nas margens do Rio Pelotas. Chegamos a Vacaria. A porteira do Rio Grande! Tchê!! Pausa para fotos



 Na porteira do Rio Grande


De lá, partimos em direção a Vacaria definitivamente. Paramos na entrada da cidade, em frente ao monumento do laçador. Abastecemos a moto, tomamos um café e saímos da BR-116 para a 285. Sentido Bom Jesus. Estrada boa e com pouco movimento. Um pouco de vento, mas tudo certo.
Paramos na beira desta ponte, do Rio das Antas. Embaixo dela, várias pessoas curtiam o dia de sol a beira do rio. Muito legal o improviso dos gaúchos para a distância das praias.


Depois da ponte, aparece a primeira placa indicando a cidade de Jaquirana. E assim segue por uns 30 quilômetros. Acho que Jaquirana é a maior cidade do mundo (risos). Tem umas 5 entradas, todas secundárias. Ainda não encontrei a principal.
Mais adiante, chegamos numa curva onde um senhor aparentando uns 60 anos, perdeu o controle do seu carro no sentido contrário e saiu da pista. Caindo numa vala paralela à estrada. Felizmente ninguém se machucou. Mas o senhor estava bastante assustado.
Esta estrada, cruza com a rota do sol, na cidade de São Francisco de Paula. É a ligação da serra gaúcha com o litoral. No cruzamento há um restaurante com comida caseira deliciosa. Paramos lá para almoçar. E quando estávamos saindo, um grande grupo de integrantes do fórum chegava. Acredito que eram pelo menos 10 motos. De vários lugares: Caxias, Passo Fundo, Vanini, entre outros. Conversamos um pouco e nos despedimos. Eles iam almoçar e antes de ir para Cambará, iam para o Passo do "S". Uma passagem de rio que dá pra passar de moto. Muito legal! Infelizmente não fomos lá. Mas quero ir de novo só pra ir para lá.
Na Rota do Sol, o movimento era intenso em direção ao litoral. A estrada parecia uma pista de corrida. Felizmente são poucos quilômetros por ela. Até o acesso para Cambará do Sul. Ufa! Estrada tranquila e com paisagens incriveis.
Chegamos em Cambará por volta das 14 horas. Parada no pórtico da cidade para registro.
Fomos direto para o "QG" do encontro. E pousada onde ficamos hospedados. A Pousada Corucacas. Além de pousada é um camping também. A Pousada é uma fazenda de 500 hectares, preparada para receber hóspedes. O proprietário, Senhor Luiz, nos recebeu e já de cara nos sentimos em casa. Ele nos mostrou a geladeira abastecida com água, refrigerante, cerveja e nos mostrou a planilha. Ele disse: -Tchê, pega o que tu quer, e marca no papel!". Risos.
Créditos da foto: Lucas Willens
A pousada oferece ducha, aquecimento, ventilador e uma cama confortável. DETALHE: Não há televisão no quarto. Estranhei no inicio. Mas depois entendi a proposta da pousada. Lá você se desliga do mundo e vive aquele mundo deles. De fazenda, campo, barulhos da natureza, etc. Foi muito legal se hospedar lá.
Descansamos um pouco e fomos para a cidade. Um dos dois postos da cidade, servia neste momento como ponto de chegada do pessoal. Estava lotado. O clima era de grande descontração.

Quem organizou boa parte de tudo isso, foi o nosso amigo Giovani - Leão In Solo. Ele foi várias vezes até Cambará para levantar pousadas, locais para refeições, passeios, etc. Ele pensou em tudo para receber a todos do grupo da melhor forma. E posso afirmar. Ele está de parabéns, realizou uma grande festa.
Na noite de sexta, participamos de um legitimo churrasco gaúcho. Preparado no CTG da cidade. E parecíamos celebridades. O vice prefeito da cidade, nos deu as boas vindas. Assistimos um belo show de danças tradicionais gaúchas. E também apreciamos um video com todas as belezas naturais da região e o que a cidade poderia nos oferecer.
Depois claro, um belo churrasco!



A noite, a chuva caiu. O que nos preocupou um pouco. Afinal, poderia comprometer os passeios e aventuras prometidos para o dia seguinte.
E não deu outra. Amanheceu um dia frio e muito nublado. O ponto de agrupamento da turma era a pousada Corucacas. Foi muito legal ver aquele povo todo reunido. Não me lembro o número de motos presentes. Mas beirava as 30 ou mais. Por gentileza, algum membro que ler esta publicação e puder ajudar o amigo, ficaria grato.
Reencontrei um velho amigo. O Chris e a Kati de São Bento do Sul. Faziam uns 7 anos que não os via. Foi muito legal. Pedi para tirar uma foto com eles e olha no que deu. Atentem para a sequencia do ajuntamento. 

Eu chamaria isso de grande ajuntamento fotográfico - Acompanhe!





Partimos naquele grande comboio em direção ao primeiro pico do dia. O Cânion Fortaleza. O comboio seguiu numa velocidade moderada. Porém, era lindo de ver aquele monte de motos andando junto. Aonde passávamos, todo mundo parava para olhar.
Chegamos na entrada do Parque. Todos os veículos são registrados. Nada é cobrado. Mas tem que ser um a um. Há um fiscal do IBAMA lá, muito mal humorado. Acho que ele ainda não se deu conta do lugar lindo que ele trabalha. Mas enfim.


Chegamos ao cânion. Mas, de onde pode estacionar as motos, são aproximadamente 3 quilômetros de caminhada até o topo. Vale a pena cada metro. O visual é incrível. A estas horas, o tempo já dava sinais de melhoras.
Lá também há a pedra do segredo. Tem que passar dentro de um pequeno riacho. Mas só molha os pés. Nada grave. E dá pra ver o cânion de outras perspectiva.




Eu, Sara, Laerte, Saulo e Aline

Foi Praticamente a manhã toda no Cânion Fortaleza. De lá, seguimos para outro local. Onde já havia uma equipe nos aguardando com sanduíches, água, etc. Um belo piquenique organizado para a galera. Todos se alimentaram e de lá o grupo se dividiu. Alguns foram para o Cânion Fortaleza. Outros para o Passo do "S". E eu e a Sara, voltamos para a pousada. O objetivo: Andar a cavalo! Eu fui um pouco contra. Num tinha andado "naquele bicho" e tinha receio. O Senhor Luiz riu da minha cara. Ele disse que não tinha medo de cavalo, mas tinha medo de moto. Mas a Sara queria muito andar. Então, resolvi encarar. Quem nos guiou foi o Robson, filho do Sr. Luiz. Andamos eu, no Gervão e a Sara no Gervásio. Pensei no inicio que seria uma pequena volta onde os olhos alcançavam das terras da fazenda. Ledo engano. Andamos por mais de uma hora entre bosques, banhados, riacho, etc. Foi muito legal. Os cavalos eram extremamente mansos e foi uma tarde muito divertida.
 Pilote sempre equipado - Fica a dica!
No final da tarde, foi marcado o momento da foto oficial do evento. Com um belíssimo por do sol. Foram tantas fotos naquele entardecer, que fica difícil eleger a melhor.





Neste dia, chegou ao hotel, o Deonir Bartnick. Meio que por acaso, e já se enturmou com a galera. Deonir é um viajante de moto com muita história para contar. Ele publicou o livro Nosotros En America Del Sur. Deonir viajou até a publicação, praticamente toda a América do Sul. Se não me engano, faltava apenas a Venezuela. País que ele visitou este ano a bordo de sua moto. Eu comprei o meu exemplar! O livro é muito bem redigido e rico em imagens. Uma mais bonita que a outra. Vale a pena.
Naquele dia também se juntou a nós um casal que estava dando a volta ao mundo. Ele australiano, ela dinamarquesa. Estavam a 2 anos e oito meses viajando. Cada um a bordo de sua DRZ-400 Suzuki. O Naldo se encarregou de traduzir e ser o anfitrião dos estrangeiros.
A noite tivemos uma grande celebração. Com prêmios, brindes, homenagens e também as trocas de mãos das bandeiras do projeto "Take de Flag". Foi uma noite muito agradável.
No dia seguinte era hora de partir. O tempo estava muito bom. Saímos de Cambará passava das 09 da manhã. Sem pressa. Passamos por Vacaria e numa das nossas paradas, encontramos meus pais (lembra? Eles estavam no RS também). Almoçamos juntos e mais tarde tomamos um café em Pouso Redondo.
A volta foi tranquila até Rio do Sul, como sempre. De lá para Blumenau, muito trânsito e muita paciência. O movimento era intenso. Cautela e todo cuidado do mundo para chegar são e salvo e poder estar aqui para poder contar tudo isso para vocês.
Foi um final de semana incrível, com pessoas incríveis e lugares magníficos. Espero que tenham gostado.

Um comentário:

  1. Realmente um relato espetacular meu amigo! Parabéns pelo texto e pelas imagens registradas! Abs - Naldo

    ResponderExcluir