quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Dia 13 - Vallenar X Los Andes - 622 kms

Hoje o dia começou cedo com o "desajuyno" no hotel Esmeralda as 07:00. Café, pão, queijo e presunto ou ovos mexidos. Um banquete nos moldes daqui. 
Demoramos pra sair pq tinha uns 6 carros trancando a nossa passagem.  No fim das contas saímos já era umas 08:00. Voltamos para a ruta 5, tinha muita neblina na cidade que fica numa espécie de vale. À noite fez frio e a temperatura era de uns 20º com muito vento. 
A ruta 5 está com vários pontos de obras. Estão duplicando tudo. É uma rodovia bastante extensa que liga o país de norte a sul passando pela capital. Alguns trechos são de longas retas, porém existem várias curvas traiçoeiras e algumas serras muito bonitas. Algumas inclusive com vista para o mar. Demais!
Mas como todo bônus tem o ônus, a rodovia está pedagiada. Foi uma despesa alta hoje. Acho que gastamos mais de 20,00 reais por moto. 
Uma coisa que o Chile explora bem e a briga dos ventos. No caminho de hoje passamos por 3 ou 4 fazendas eólicas muito grandes. Afinal, vento e o que não falta por aqui. E água é muito pouca. Passamos por vários leitos de rios muito secos, com vegetação alta, indicando que a muito tempo ali não passa água em abundância. 
A paisagem. Era bem desértica, porém, gradativamente o marrom da areia ia dando lugar ao verde bem discreto, bastante empoeirado. 
Paramos na praia da ferradura perto do meio dia para o Gilmar por os pés no Pacífico. Depois Bora pra estrada. 
Muito curioso ver como os chilenos viajam e são desprendidos de luxos. Passamos em várias praias bastante desertas, porém, com acampamentos gigantes à beira mar. Sem água, luz ou qualquer tipo de saneamento. 
Nos postos, filas para abastecer e muitas famílias inteiras aproveitado as férias escolares. Sei lá pra onde que essa gente toda ia. 
Aqui nós postos existe a modalidade do auto serviço. Mas se quiser o frentistas abastece. Agora gostei da ideia, depois que um frentista derramou gasolina na minha moto. Você chega e abastece a quantidade que quer. Só tem que tomar cuidado pra não colocar diesel. As bombas tem bicos de gasolina e diesel no mesmo aparelho. 
Um pouco antes da cidade de La Callera, tínhamos a opção de cruzar um túnel ou subir a "Cuesta Del Melon". Na hora não entendi muito bem e fui pelo caminho que o gps mandava, pelo túnel. Depois descobrimos que pelo túnel pagávamos pedágio, pela serra não. Resultado: 1.900 chilenos cada moto (quase 8,00 reais). Paciência. 
E de lambuja, aos simples cruzar o túnel, a temperatura subiu de 22 para 35º. Isso mesmo! 13 graus em 2.000 metros. Foi um tal de tira segunda pele, se abana, etc. 
Mais uma kms à frente era hora de deixar a ruta 5 depois de dois dias rodando por ela. Entre obras e paisagens exuberantes. 
Era hora da pequena e estreita ruta 62. Ah, e a temperatura continuava subindo. De 35 estávamos em quase 40 graus. 
Nessa altura a paisagem era totalmente diferente. Já dava pra ver picos nevados e várias plantações de uvas. A ruta e Heil de pequenos povoados, tem a cidade de san Felipe e logo em seguida a cidade de Los Andrs onde estamos hospedados. De brinde, o termômetro da moto bateu os 40º. Que maravilha!!!
Esta é nossa última noite no Chile. Amanhã tem a aduana, os caracoles e as vinícolas em mendoza. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário