domingo, 7 de maio de 2017

Os primeiros 10.000 kms de Explorer

Depois de 8 meses e quase 11.000 quilômetros rodados com a Triumph Explorer 1200 XC, já posso falar um pouco sobre as minhas impressões sobre a moto. Vou tentar não comparar com a Super Ténéré 1200, pois penso que cada uma tem suas vantagens e desvantagens. E sim falar do que está me agradando nela e o que para mim poderia ser melhor.
Adquiri a moto no dia 13 de setembro na cidade de Chapecó na loja Motocar com o Júlio que é meu cliente e possui uma grande variedade de motos. Como moro em Blumenau a busca da moto já foi um bom teste para a nova máquina. Já de cara percebi o vigor do motor de 3 cilindros que dá uma impressão de se estar pilotando uma moto esportiva de motor quatro cilindros. Isso foi uma grande diferença para quem veio de motos mono e bicilíndricas. Mas vamos aos detalhes:
Quando compramos a moto esta era a quilometragem dela
  • CONFORTO

Já na primeira viagem podemos constatar o bom conforto do banco para piloto e garupa. Minha esposa elogiou muito o conforto do banco da motocicleta nova.
De minha parte estranhei a posição de pilotagem mais avançada com os braços mais esticados e as pernas mais dobradas. Ali já senti a necessidade de usar um "Raizer"  para melhorar a posição de pilotagem dela.

  • ITENS DE SÉRIE E ACESSÓRIOS

Como comprei a versão XC ano 2015 a colocação de acessórios foi muito pequena pois esta versão oferece um bom pacote de acessórios:
  • Piloto Automático;
  • Protetor de Cárter;
  • Protetor de Motor;
  • Faróis auxiliares;
  • Protetores de mão;
O que coloquei depois da compra:
  • Suportes laterais e central para báus - Modelo GIVI;
  • Suporte de GPS;
  • Raizer;
  • Antena corta-pipa;
  • Mala de Tanque Triumph;
Poucos equipamentos foram necessários para deixar a moto pronta para o uso em viagens que é o nosso caso. Eu tinha uma mala de tanque da GIVI porém devido a posição do tanque da Explorer não pude usá-la, mas para minha supresa comprei uma mala original Triumph com preço ao meu ver bastante justo. Comprei uma mala de 15 litros na própria concessionária Triumph Floripa por R$800,00 mais R$120,00 o suporte que fica fixo no tanque. A mala é de fácil instalação e a moto já tem as posições certas para prender o suporte no tanque. Não requer nenhum tipo de adaptação e a bolsa é de altíssima qualidade. 

  • SUSPENSÃO
Esta versão não possui nenhum tipo de regulagem eletrônica porém pode-se regular manualmente tanto suspensão dianteira quanto traseira. Na primeira viagem com ela andamos em trecho de estrada de terra e estranhei uma batida na parte da frente que posteriormente o meu mecânico que também tem uma Explorer e reclamava do mesmo problema achou o que era. Era um suporte da mangueira que freio que quando a suspensão fechava mais raspava no paralamas dianteiro. Com a regulagem certa para o tipo de uso e carga a suspensão trabalha muito bem o que ajuda no conjunto do conforto da moto para piloto e garupa.

  • CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Neste quesito não tenho como fugir de comparar, mas a minha Super Ténéré era mais econômica. Fazia na casa dos 18 a 20 quilômetros por litro. A Explorer está com média de 17 por litro. Parece pouca diferença mas numa viagem de 10.000 quilômetros faz diferença. Mas não há como ser diferente, a Explorer possui 1 cilindro a mais e 25 Cavalos de potência a mais. Mesmo assim, penso que o consumo é aceitável pela categoria da moto. O que ao meu ver é um limitante nesta moto é o tanque com 20 litros. Numa viagem longa como por exemplo para a Patagônia o bom e velho galão pode ser usado mais vezes devido às longas distâncias sem abastecimento ou postos sem combustível.
Dados do consumo de combustível nestes 10.000 Quilômetros
  • MECÂNICA E MANUTENÇÃO
A Triumph tem um plano de revisão bastante interessante. A primeira revisão de 800 quilômetros foi feita pelo antigo proprietário e eu fiz a de 1 ano ou 16.000 quilômetros (o que ocorrer primeiro). Esta revisão fiz com apenas 7.000 quilômetros. O custo foi de R$1.000,00 na concessionária com troca de óleo de motor, filtro de ar e óleo e reaperto e revisão de outros itens da moto. A próxima revisão dela deve ocorrer com 16.000 kms a mais do que a última revisão ou 1 ano o que ocorrer primeiro.
Isso é um grande diferencial da moto pois rodar 16.000 kms é muito acima do que qualquer outra marca recomenda no Brasil.
A minha moto apresentou um problema após a viagem ao Uruguai no botão de acionamento dos faróis de milha. Foi acionada a garantia porém como não há concessionária na minha cidade ficaria dificil para levar a moto pela segunda vez quando a peça viesse. Optei por pagar a reposição da peça que custou R$90,00. 

  • PILOTAGEM
A Explorer é uma moto muito boa de pilotar. É uma legítima puro sangue. Eu costumo dizer que é uma moto esportiva disfarçada de Big Trail. O ronco do motor é entusiasmante o giro sobe rápido, as marchas são longas e a potência vem à tona rapidamente. A sexta marcha é infinita e você pode andar de 60 Km/h a 200 sem precisar trocar uma marcha sequer. O motor é muito elástico e em velocidades de cruzeiro ronca suave e parece que não está fazendo esforço algum. Agora quando se precisa de potência para uma ultrapassagem por exemplo, ela não te deixa na mão.
Depois que elevei o guidão com o uso do Raizer consegui me sentir mais à vontade para pilotar a moto, melhorou muito.
Não tenho muita experiência em pilotagem no OFF ROAD e confesso que não é muito a minha praia, mas fomos ao Rio Grande do Sul na região de São José dos Ausentes e lá pude testar mais a fundo a moto na terra. Primeiro com bagagem e garupa, nestas condições a pilotagem fica mais “pesada”. É preciso ir devagar e com mais cuidado. Para andar com a moto mais solta optei pela configuração do controle de tração na posição “2” e ficou bem melhor do que com o controle totalmente ligado. Também há a opção de desligar os freios ABS porém não julguei necessário. Depois na outra volta que demos por lá fui sozinho na moto e sem os baús e demais itens. Aí a moto ficou bem divertida para pilotar no OFF. A suspensão trabalha bem e o torque de sobra da moto fazem a diferença.


·         SEGURO
O valor do seguro para o meu perfil fico igual ao seguro que eu pagava da Super Ténéré, na faixa dos R$2.700,00 pela seguradora Mapfre.

·         SUBSTITUIÇÕES DE PEÇAS
até agora não gastei quase nada em manutenção. Tirando o básico que foi a revisão, troquei o botão do farol de milha, pneus e pastilhas de freio traseiras. Ou seja, a moto está se mostrando muito confiável e não vejo relatos nas redes sociais ninguém reclamando de problemas crônicos o que é ponto favorável para a Triumph que está entregando equipamentos de qualidade e que dão muita confiança para que compra.


O balanço até o momento é muito positivo com a Explorer. Uma moto excelente, com torque impressionante e conforto muito bons. No meu ponto de vista não há moto perfeita e sim aquela que se encaixa melhor no estilo do piloto.

É isso aí pessoal, pra quem está pensando em comprar uma 3 cilindros, pode ir sem medo. Com certeza cai se surpreender. Ainda mais se comprar uma modelo 2017 que tem vários itens diferentes da minha 2015.











Nenhum comentário:

Postar um comentário